Inema visita Barra do Choça para levantamento de dados

Entre os dias 19 e 21 de maio, funcionários da Embasa do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) estiveram em Barra do Choça para o início de um possível estudo sobre a região do Riacho do Monos. Nos três dias, as atividades tiveram a participação da comunidade e o acompanhamento da Secretário de Agricultura Eric Silva.

inema1

A demanda  veio da diretoria de biodiversidade do instituto para fazer um levantamento de dados da região e a partir disso analisar a possibilidade de elaboração de um projeto para recuperação da microbacia do Riacho do Monos. Segundo a técnica Rosane, a ação está sendo feita em total diálogo com a comunidade barrachocense.

Para o secretário de Agricultura Eric Silva, essa ação é fruto das diversas reuniões que a comunidade tem realizado nos últimos anos para tratar de assuntos referentes à questão da água, algo que se agravou a partir de 2009 com o processo de estiagem  e intensificou-se, nos anos de 2012 e 2013. O problema não só afetou aos moradores quanto a qualidade e a quantidade de água fornecida, como também a agricultura e principalmente a demanda oriunda dos municípios vizinhos (Vitória da Conquista, Planalto e Belo Campo), os quais dependem de tal abastecimento.
A visita iniciou-se no dia 19 com uma reunião  na Secretaria Municipal de Agricultura para construir um roteiro de visitas. A tarde do mesmo dia uma reunião com caráter diagnóstico com a comunidade de Barra Nova, um momento de escuta para saber qual é realmente a visão e a necessidade daquela comunidade sobre o assunto. E nos dias seguintes visitas nas nascentes da região, locais indicados pela própria comunidade.

inema2

“A gente já percebe que houve desmatamento através da pecuária e do café,  então com esse contato pretendemos também levantar o histórico da comunidade, o que existia antes comparado ao que existe hoje”, explica Rosane. As atividades foram divididas em duas partes: diagnóstico participativo para verificar estágios de degradação culturas locais e caracterizar a área;  e um diagnóstico in loco da área, que visa também conhecer as nascentes e os estágios das nascentes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 9 =