Prefeitos baianos pedem mais segurança nos municípios

Déficit no efetivo policial, crimes contra instituições financeiras, tráfico de drogas e homicídios. Esses foram os principais assuntos debatidos entre os prefeitos baianos e a Secretaria de Segurança Pública da Bahia. O encontro, no auditório da UPB, reuniu nessa quinta feira (16/07) gestores e representantes da Secretaria de Segurança Pública.

Em sua palestra sobre “Segurança Pública do Estado da Bahia, órgãos e Competências”,o Secretário de Segurança Maurício Barbosa traçou o diagnóstico do panorama da criminalidade no Brasil e na Bahia. Para ele, 1,3% dos presos conseguem ser condenados no sistema jurídico penal, mas “temos parcela de responsabilidade de 8 a 10% de elucidação do crime e temos uma parcela de crime onde a autoria é levada à Justiça e a lei é aplicada com muitos anos de atraso. Esse é um problema conjuntural e precisamos combater. Precisamos de leis que favoreçam as atividades policiais”.

SEGURANCA04

No diagnóstico apresentado aos gestores, de 2006 a 2012 hou um aumento de 113% da criminalidade. “O tráfico de drogas é uma questão de saúde pública e o papel da família na prevenção é fundamental”, disse. Estados do Nordeste sofreram muito com a entrada de drogas, pois têm uma estrutura defasada. Estamos hoje correndo contra o tempo de acordo com as nossas possibilidades. Houve uma redução do índice de criminalidade na capital (-10,3%), na RMS (-12,8%) e no interior (-2,7%)”.

Barbosa, falou da importância do programa Pacto pela Vida e das diversas ações como Câmaras de Presença Social, de Enfrentamento as Drogas, Administração Prisional (inaugurações de sete novas unidades), Segurança Pública, Articulações dos Poderes e a criação da vara de combate ao crime organizado.

São 160 municípios sem delegados, informou o secretário, “uma realidade que nos assola há anos” e da implantação de mais 12 Centros Integrados de Comunicações (CICOM) totalizando 22. “Pretendemos levar o Pacto pela Vida no interior do estado e fazer com que os atores locais sejam mais participantes”, disse ele valorizando o olhar diferenciado pelo interior do estado com o apoio da UPB.  Os Gabinetes de Gestão Integrada (espaço de interlocução firmada entre os órgãos de segurança pública e demais atores das três esferas de governo) e os Consórcios Intermunicipais de Segurança Pública trabalharam unidos no Pacto pela Vida. “O que a população quer é se sentir segura”, finalizou.

Foi discutido e ampliado o diálogo sobre segurança pública através de três painéis temáticos:  Tráfico de drogas, delitos contra agências bancárias e conselho de segurança pública.

SEGURANÇA seminario (15)

Pacto

O Pacto Pela Vida é um programa de Estado criado pela Lei nº 12.357 de 26/09/2011 no âmbito do Sistema de Defesa Social – SDS, cujo objetivo principal é a promoção da paz social.

Trata-se de uma nova política pública de Segurança, construída de forma pactuada com a sociedade, articulada e integrada com o Poder Judiciário, a Assembleia Legislativa, o Ministério Público, a Defensoria Pública, os municípios e a União.

A liderança do Pacto é feita diretamente pelo Governador da Bahia, que dirige esforços de treze Secretarias de Estado com o objetivo principal de reduzir os índices de violência, com ênfase na diminuição dos Crimes Violentos Letais Intencionais – CVLIs e dos Crimes Violentos contra o Patrimônio – CVPs.

O Programa prevê, no âmbito policial, ações integradas das unidades da Secretaria de Segurança Pública, das Polícias Militar e Civil e do Departamento de Polícia Técnica visando à redução dos CVLIs e CVPs.

No âmbito social, o Pacto prevê ações de prevenção social executadas por diversas Secretarias de Estado, voltadas para a população vulnerável das áreas identificadas como críticas em termos de criminalidade, de modo a reafirmar direito e dar acesso a serviços públicos indispensáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *